12/09/2010

Prévias DemoSul - reflexões do intervalo - parte 4

Po%$a, cadê minha calça verde??? O que aconteceu com o Alona? quem veio nos outros dias das prévias deve estar se perguntando a mesma coisa.O sexo, drogas e rock'in roll foi substituído pelos sinais de coração, pulinhos emo/hard core melódico. Me ajudem por favor, será que estou no mesmo lugar, onde foi parar o rock, o que aconteceu com a nossa juventude. que me#da é essa? Desculpem o desabafo...


Prévias DemoSul, com certeza, democratizando o som em Londrina...

5 comentários:

Andressa disse...

Sou muito mais a favor dos jovens de hoje , usando calças coloridas e tal ... do que os jovens que você diz tanto faltar nas prévias da demosul , até porque se esses estivessem lá estariam por más influências na base das drogas , sexo e rockn roll ?!

Thiago de Alencar disse...

Andressa,eu concordo com você quando diz que o sexo e drogas não seriam boas influências, na verdade concordo só com as drogas...rsrsrs Mas, temos que analisar que toda essa "onda colorida" que observamos hoje em dia não vem só com as cores, mas também com o consumismo, futilidades e músicas feitas para vender e não para ouvir e refletir. Além, de fazerem parte de uma onda cultural que cai de forma esmagadora no nosso país e torna os jovens de hoje em dia mais despreocupados com o que acontece no mundo, tornando-os seres manipuláveis... marcando o que a de pior hoje em dia na nossa sociedade. Costumo dizer que toda essa "onda colorida" e tudo o que ela representa, é o que marca a decadência do sociedade moderna, pessoas consumistas, fúteis, individualistas (apesar de andarem em grupos), com músicas vazias e sem nada a acrescentar intelectualmente aos nossos jovens.

Gabriel Ruiz disse...

Taí o choque de gerações. O grande lance é assim: isso não é rock, nunca foi, é moda, é feito pra vender. Mas tá, a gente só saca isso porque somos seres críticos, conseguimos enxergar isso. Provavelmente com 12, 13 anos a gente não sacava.
Eu um dia ouvia dance anos 90 e meu pai não se conformava rs. O que me consola e me traz a esperança é que esses jovens vão crescer e ver que foi uma fase. Porque disso, aliás, não tenho dúvidas: é uma fase. E não vejo a hora dela passar pra saber o que vem depois, já que, depois do fundo do poço, vem a luz.

Isabela Cunha disse...

"E não vejo a hora dela [a fase] passar pra saber o que vem depois, já que, depois do fundo do poço, vem a luz."

Eu praticamente pago pra ver o que vem depois. De começo eu torço por maior senso crítico e menor grau de preconceito. Porque dizer que tudo se resume a "sexo e drogas" é pré-conceitualizar algo que vai além, muito além disso. Algo que, com um pouco mais de conhecimento, essa garotada entenderia sem maiores dificuldades. Não digo, no entanto, que apreciaria, mas isso nem é necessário... gosto é gosto, já dissemos isso(nós em nossa defesa, e a garotada idem).
Sei que mentiriamos todos dizendo que a noite de domingo nos agradou, e isso me deixa feliz. Feliz por ver a galera levando a cobertura com seriedade e por saber até que temos esse gosto musical comum.
E parabéns, Thiago, me amarro nas reflexões do intervalo.

juliana disse...

Gente, em 1° lugar o Demo Sul não é um festival de rock'n'roll, e sim de MÚSICA INDEPENDENTE, senão seria o Rock Sul.... A própria organização do evento confirma isto.
Segundo: os caras estão começando e a noite de domingo foi recheada de bandas novíssimas, algumas nunca tinham tocado em qualquer festival ou evento. Tem que ter espaço, dar oportunidade. Sem oportunidade como o som dos caras vão evoluir?!?!
Terceiro: sexo, drogas e rock'n'roll fica a critério de cada um fazer, usar, ouvir ou não. Tem tanta gente que não gosta de rock e usa drogas, anda de preto.....
Viva o choque de gerações, e que este choque sempre proporcione evolução na mentalidade e no discurso!!!!